Mitologia – Hel

O filme Thor:Ragnarok nos apresentou uma das melhores vilãs até agora do universo cinematográfico da Marvel: Hela. Assim como Thor, Loki e Odin, Hela também faz parte da mitologia nórdica. O quadro “Mitologia” vai contar um pouco mais sobre história da Deusa da Morte.

Além de Hela, a deusa pode ser conhecida como Hel, Halja ou Hell , ela é a soberana do  “inferno nórdico”: o Helheim. No filme, Hela é a primogênita de Odin e irmã de Thor, mas na mitologia a deusa é filha do deus Loki com a giganta Angrboda. Seus irmãos são a serpente gigante Jormungand e o lobo Fenrir.

                                         

De um lado Hel é uma mulher viva, extremamente bela, mas a outra metade do seu corpo é de um cadáver pútrido. Odin baniu a neta logo após o seu nascimento, ela então foi enviada para o submundo nas profundezas de Niflheim (mundo formado de gelo, névoa e neblina) nas margens do rio Nastronol. Hel acabou virando a governante do reino de Neflheim.

A deusa era responsável por julgar os indivíduos que não tivessem mortes honrosas: velhice ou doença. Hel acaba desenvolvendo o papel de juíza, pois todas as almas que ela considerava “más” acabavam sendo torturadas e banidas para o reino da morte gélida. Seu palácio, Elvidner (miséria) e o reino eram guardados pelo lobo gigante Garm (o lobo de Hel faz os lobos de Game of Thrones parecerem chiuauas).

O mundo de Hel não era só  um “inferno”. Era lá o ponto de encontro e abrigo para almas que iriam reencarnar. Além disso, Hel cuidava das alas de mulheres e crianças que morriam durante o parto e as guiava para um caminho longe da guerra e da violência através do círculo de reencarnação.

Diferente de muitos deuses, Hel sempre foi uma deusa neutra. Nem boa e nem má, apenas cumprindo seu papel de julgar as almas.

 

 

 

vitoriamollerke@gmail.com'

Amante de Game of Thrones, Supernatural, Mr.Robot, de personagens complexos e de tudo que tenha uma boa história. Mais Geek do que Nerd. Livros e filmes são paixões, mas séries são o grande amor da vida. Entre os pecados capitais o favorito é a gula. Escolheu o jornalismo pela pouca quantidade de números.

Deixe uma resposta