ByteBites – Os Jovens Titãs em Ação: Nos Cinemas

O universo DC, no cinema, está bastante desacreditado: após o fracassado Batman x Superman, a redenção vem com Mulher-Maravilha, mas o desgosto volta com a Liga da Justiça. Todavia, a esperança volta a reacender com aqueles mais injustiçados: Os Jovens Titãs em Ação.

O desenho estreou em 2013, na sombra da versão de 2003. Ambos os desenhos têm Ravena, Mutano, Estelar, Robin e Ciborgue como protagonistas, mas utilizam diferentes tipos de narrativas: o primeiro mais focado no drama enquanto a versão atual aposta na comédia escrachada. Admito que no início tive preconceito com os Jovens Titãs em Ação, por acreditar ser esse inferior ao desenho original.

Como  estava errada. Assistindo com mais afinco é impossível não se apaixonar ou terminar um episódio sem morrer de rir! O desenho em si consegue trabalhar muito bem o humor e isso era um dos meus receios antes de ver o filme: o humor constante funciona em episódios curtos (10 minutos), mas funcionaria em um filme de 1h32?

Funcionou.

A história é basicamente do grupo de heróis lutando para conseguir o seu próprio filme. Os Titãs, principalmente o Robin, sentem-se inferiores a heróis como Batman e Mulher-Maravilha. A crença que seu heroísmo só será provado após um filme, leva o grupo a uma jornada até os estúdios da Warner, em Hollywood.

O ponto forte do filme é o fato da DC passar o tempo todo tirando sarro de si mesma. Piadas sobre as várias adaptações do Batman, o filme fracassado do Lanterna Verde e ainda sobre Batman X Superman mostram que empresa reconhece os seus erros.

Engana-se aqueles que pensam que a zoação é unicamente direcionada a DC. As cutucadas atingiram também a Marvel: primeiramente o grupo é chamado de Guardião das Galáxias e depois os Titãs confundem o Slade com o Deadpool! O filme soube trabalhar muito bem com o humor.

Assim como no desenho, o filme se utiliza do recurso de misturar tipos de animação, em determinado momento a animação tradicional dá lugar a um traço  é mais retrô. O que deixa o desenho e consequentemente o filme tão bons é a liberdade que ambos possuem. Liberdade de zoar o estúdio criador, a concorrência e a liberdade de misturar mais de um tipo de animação.

Selo Byte de Qualidade:

vitoriamollerke@gmail.com'

Amante de Game of Thrones, Supernatural, Mr.Robot, de personagens complexos e de tudo que tenha uma boa história. Mais Geek do que Nerd. Livros e filmes são paixões, mas séries são o grande amor da vida. Entre os pecados capitais o favorito é a gula. Escolheu o jornalismo pela pouca quantidade de números.

Deixe uma resposta