ByteBites – Homem-Aranha: No Aranhaverso

Homem-Aranha: no Aranhaverso antes  mesmo de estrear,no Brasil, já havia conquistado um Globo de Ouro na categoria de melhor filme de animação, desbancando sucessos como Os Incríveis 2 e Wifi Ralph. O grande mérito do longa está não só na animação inovadora, mas também na combinação dela com um enredo complexo e surpreendentemente bem construído.

O longa parte do princípio que o público já conhece a história de Peter Parker e resume a origem do herói de maneira extremamente divertida; em seguida, o protagonismo é transferido para o jovem Miles Morales. O garoto é uma versão completamente diferente da figura do Homem-Aranha que nós estamos acostumados: um jovem negro, com descendência hispânica que não consegue manter uma boa comunicação com os pais, principalmente com o pai policial. Todavia, a essência de Parker está em Morales, pois ambos apresentam dificuldades em lidar com os superpoderes recém-descobertos, possuem um grande senso de justiça, além de não se acharem dignos de serem chamados de heróis.

A narrativa consegue ter diversos personagens atuando em perfeito equilíbrio. Existe um destaque maior para Miles, Peter e Gwen Stacy, entretanto os “Homens-Aranhas” de outras dimensões possuem brilho próprio, já que cada um apresenta uma história e objetivo específicos, mas isso não interfere ou atrasa o desenrolar da trama principal só a torna ainda mais rica.

O maior diferencial do longa, tornando-o único e diferente de todos os filmes de animação dos últimos tempos, está, sem sombra de dúvida, na própria animação. Ao sentar na cadeira do cinema, Homem-Aranha: no Aranhaverso transporta o telespectador para dentro de uma HQ por meio das cores vívidas, o uso de caixas de pensamentos e onomatopeias. Assim, podemos perceber que o filme não é apenas uma mera  animação, mas, sim, uma experiência visual eloquente.

Além disso, o longa brinca com diversos tipos diferentes de animações. Enquanto nos personagens Miles, Gwen e Peter é utilizado um traçado padrão do filme, na personagem Peni Parker utiliza-se traços característicos de anime; temos, também, o Porco-Aranha que é desenhado no estilo dos personagens Looney Tunes e, por fim, o Noir que é traçado em preto e branco mais clássico.

O antagonista do filme, Wilson Fisk, mais conhecido por “Rei do Crime”, torna-se o grande vilão da trama. Suas ações vão muito além daqueles clichês de dominação mundial clássicas dos filmes de super-heróis. O seu objetivo é tão humano e simples que é impossível não sentir empatia por ele, mesmo que seu caminho envolva a morte de pessoas inocentes.

Homem-Aranha: no Aranhaverso é um filme espetacular. Ele apresenta uma animação inovadora, juntamente com personagens nunca explorados anteriormente no cinema, tornando o longa um dos melhores produtos do entretenimento dos últimos tempos. A partir disso, prepara-se para uma aventura onde você praticamente é transportado para uma HQ do Homem-Aranha, com direito a balões de pensamentos e várias referências ao universo do ”cabeça de teia”.

Selo Byte de qualidade:

vitoriamollerke@gmail.com'

Amante de Game of Thrones, Supernatural, Mr.Robot, de personagens complexos e de tudo que tenha uma boa história. Mais Geek do que Nerd. Livros e filmes são paixões, mas séries são o grande amor da vida. Entre os pecados capitais o favorito é a gula. Escolheu o jornalismo pela pouca quantidade de números.

Deixe uma resposta