Investigação B – Ted Bundy

Theodore Robert Cowell é popularmente conhecido como Ted Bundy, sendo um dos serial killers mais famosos dos Estados Unidos. “Queremos acreditar que conseguimos identificar pessoas perigosas, mas o mais aterrador é que não podemos. As pessoas não se dão conta de que convivem com assassinos em potencial”, essa frase foi dita pelo próprio assassino e resume a imagem que a sociedade e as vítimas tinham dele: alguém carismático, atraente e eloquente.

Nascido no estado de Vermont, em 1946, foi criado pelos avós maternos como filho e cresceu acreditando que sua mãe era sua irmã. O ambiente familiar era bastante conturbado, pois Ted sofria, constantemente, com agressões físicas e verbais por parte dos avós. Acredita-se que o pai biológico era um militar da Força Aérea Americana, todavia Bundy nunca chegou a conhecê-lo.

Na tentativa de retirar Ted do ambiente truculento, sua mãe biológica, Louise, mudou-se para outra cidade.  Na época, Ted tinha apenas cinco anos e não entendia o motivo de ter fugido com a irmã, sendo separado dos seus “pais”. Isso foi uma das razões que impediu a aproximação do garoto com o novo padrasto, cujo sobrenome “Bundy” foi utilizado por Ted futuramente. Essa cenário causava um conflito interno no menino, o qual não compreendia o porquê de estar vivendo aquela situação.

Na escola, era considerado uma criança tímida, solitária e insegura, no entanto era um aluno prodígio que tirava notas acima da média. Além disso, era vítima constante de bullying. Passava parte do seu tempo cuidando dos irmãos mais novos e torturando animais. Foi somente aos 23 anos que Bundy descobriu que sua irmã era na verdade sua mãe e, segundo especialistas, foi esse o fato que fez sua relação agressiva com outras mulheres piorar. Ademais, esse foi um dos motivos que levou o assassino a se formar em psicologia.

Começou a estudar direito e filiou-se ao partido republicano. Aos 27 anos, fez uma viagem em nome do partido e encontrou com uma ex-namorada. Todo o processo de reconquistá-la foi unicamente com o objetivo de rejeitá-la depois, já que, anteriormente, o término causou uma grave depressão em Bundy.

Em 1974, começou a utilizar um gesso falso, nos braços ou nas pernas, para pedir ajuda a universitárias. Todas as suas vítimas eram jovens mulheres que possuíam uma semelhança física com a sua mãe. Ele dirigia um fusca sem o banco do carona e com a porta travada que impedia as vítimas de fugirem.  Seu método era quase sempre o mesmo: estuprava, sodomizava e depois matava com golpes na cabeça.

Quando corpos começaram a serem encontrados em Washington, Ted mudou-se para o estado vizinho, Utah, e lá fez novas vítimas. Foi nesse estado que, em 1974,  a jovem Carol DaRonch conseguiu fugir, sendo a única a escapar do assassino.

Ao desobedecer a ordem de um patrulheiro para sair do carro, Bundy é preso e, no seu veículo, foi encontrado máscaras de esqui, meia-calça, algemas e um furador de gelo. Entretanto, a engenhosidade de Bundy permitiu que ele fugisse dos policiais em duas ocasiões: na primeira vez, no dia do seu julgamento, pulou pela janela da biblioteca do tribunal; e na outra fez um rigoroso regime para passar por um duto de ventilação que havia dentro da sua cela.

Cela onde Bundy escapou

Em 1978, Ted Bundy promoveu um massacre na Fraternidade Chi Omega, da Universidade da Flórida, matando duas jovens e deixando outras duas extremamente feridas. Um ano depois, foi a julgamento e fez sua própria defesa acreditando que conseguiria provar sua inocência perante o júri. Todavia, foi  considerado culpado e foi sentenciado à pena de morte.

Na sexta-feira, dia 24 de janeiro de 1989, Bundy comia o que seria sua última refeição: filé, ovos, purê de batatas e café. Do lado de fora da prisão, cerca de duas mil pessoas comemoravam a execução do “anjo da morte”. Cartazes com as frases Barbecue Ted (churrasco de Ted) e It’s Fryday, TED! (uma união do inglês fry – fritar – e friday – sexta-feira). Bundy admitiu ter cometido trinta homicídios entre sete estados americanos, entretanto acredita-se que o número seja maior, já que muitos corpos foram encontrados com o modus operandi de Bundy, mas nunca foram reconhecidos pelo assassino.

Ironicamente, quem acionou a descarga elétrica que matou Bundy foi uma mulher.

 

vitoriamollerke@gmail.com'

Amante de Game of Thrones, Supernatural, Mr.Robot, de personagens complexos e de tudo que tenha uma boa história. Mais Geek do que Nerd. Livros e filmes são paixões, mas séries são o grande amor da vida. Entre os pecados capitais o favorito é a gula. Escolheu o jornalismo pela pouca quantidade de números.

Deixe uma resposta