ByteBites – Joias Brutas

É inevitável pensar em Adam Sandler não lembrar de filmes como Click e Como Se Fosse a Primeira Vez. Com um currículo repleto de comédias medianas, o ator embarca no universo dos longas de drama com o filme Jóias Brutas da Netflix. Uma trama que surpreende pela qualidade da narrativa e pela magnífica atuação de Sandler.

A história acompanha o joalheiro nova-iorquino Howard Ratner (Adam Sandler) que vive através de pequenos golpes e apostas. Por causa disso, ele endivida-se e sua sobrevivência depende da venda de uma enorme, e rara, opala. O filme, então, mostra como aqueles que fazem parte do ciclo social do protagonista são afetados pela sua ganância.

O ápice do longa, com toda certeza, está na performance de Adam Sandler. A sombra de seus antigos personagens bobões é ofuscada pela genialidade da sua atuação. Howard está constantemente presente em tela, entretanto sua presença nunca é cansativa; o protagonista falastrão é tão interessante, engraçado, maluco e, até mesmo, melancólico que cativa o telespectador, fazendo com que este continue acompanhando a jornada do protagonista. Tudo isso só é possível, graças à maestria de Sandler em incorporar o joalheiro viciado em apostas.

Em termos de narrativa, o longa não apresenta novidades, tendo em vista que os acontecimentos não possuem reviravoltas mirabolantes ou imprevisíveis. Os eventos vão seguindo um fluxo constante e natural, mas com o enfoque total no protagonista. Por causa da constante centralização no joalheiro, o restante dos personagens tornam-se figuras de poucas camadas e nada complexas. O filme mostra que os coadjuvantes apresentam diversos problemas, mas devido ao pouco destaque, consequentemente, o laço de empatia com o telespectador não é formado. 

 Assim como o título, o longa possui uma certa brutalidade. Todas as cenas são poluídas, seja com com diversos personagens em quadro seja com cenários carregados de informações e objetos. Por causa disso, a história se desenrola em um ritmo frenético, tendo como consequência, em diversos momentos, o sentimento de confusão do espectador. 

Em certos trechos da narrativa, é perceptível que a história torna-se enrolada e confusa. Somos bombardeados com informações, situações e personagens interagindo praticamente de forma simultânea e não conseguimos absorver tudo o que a narrativa nos apresenta. Em detrimento disso, partes da trama transmitem o sentimento de incompletude e obrigam o espectador a continuar assistindo, mas, chegando ao final do filme, há o sentimento de que parte da história foi perdida por causa da balbúrdia constante da narrativa.

Selo Byte de qualidade:

vitoriamollerke@gmail.com'

Amante de Game of Thrones, Supernatural, Mr.Robot, de personagens complexos e de tudo que tenha uma boa história. Mais Geek do que Nerd. Livros e filmes são paixões, mas séries são o grande amor da vida. Entre os pecados capitais o favorito é a gula. Escolheu o jornalismo pela pouca quantidade de números.

Deixe uma resposta