ByteBites – Ratched

Mais um lançamento da parceria de Ryan Murphy com a Netflix chega ao catálogo da gigante do streaming. Após  The Polician e Hollywood, um dos maiores produtores da atualidade, embarca no universo do clássico filme Um Estranho no Ninho com a história da enfermeira Mildred Ratched.

A  trama se passa em 1947 e acompanha a ambiciosa enfermeira Mildred Ratched (Sarah Paulson) no início de sua carreira profissional no segmento de doenças mentais. Paralelamente, a série desenvolve também a história do serial killer Edmund Tolleson (Finn Wittrock) até que ambas tramas se cruzam.

Para aqueles que já assistiram a obra mais famosa de Murphy, American Horror Story, logo de cara vão perceber inúmeras semelhanças, principalmente nos episódios introdutórios. A série se passa em manicômio, assim como a temporada de Asylum, o desenvolvimento do sentimento de incômodo, de que algo está para acontecer a qualquer momento, é uma emoção presente em todas as temporadas de AHS. Além disso, a protagonista transmite um sentimento de robotização, com todas suas falas e gestos sendo mecanizados, características muito comuns nos personagens de American, a exemplo de praticamente todos os membros da temporada 1984.

Assim como muitas das obras do showrunner, Ratched promete uma premissa, mas ao longo dos episódios passa ao telespectador a sensação de que a história vai se perdendo aos poucos. Esse fato, acontece não somente com a história, mas também com a própria protagonista, que começa sendo alguém fria, calculista e manipuladora, todavia graças ao grande clichê de mudar por causa do amor, ela torna-se alguém apática e sem graça.

Murphy tem o talento de criar personagens instigantes e histórias tão mirabolantes que obrigam o telespectador a ver um episódio atrás do outro. Entretanto, o mesmo tem uma grande dificuldade em fechamentos. Ao longo da trama são abertas diversas portas, que conhecendo o passado do showrunner, dificilmente serão fechadas, mesmo que uma outra temporada seja confirmada.

A série possui pontos positivos. O maior deles está na direção de arte e na fotografia. Os figurinos usados pela protagonista são muito coloridos e extremamente deslumbrantes, o uso de cores berrantes está presente não só nas roupas dos personagens, mas também nos objetos e cenários. Além disso, as paisagens são estonteantes e enriquecem ainda mais o conceito estético da série.

A atuação dos atores foi maravilhosa, mas nada muito fora do normal. Ratched com toda certeza é aquele tipo de série que cria enormes expectativas com o trailer e sinopse, mas que decepciona por não entregar o que foi prometido.

Selo de qualidade Byte:

vitoriamollerke@gmail.com'

Amante de Game of Thrones, Supernatural, Mr.Robot, de personagens complexos e de tudo que tenha uma boa história. Mais Geek do que Nerd. Livros e filmes são paixões, mas séries são o grande amor da vida. Entre os pecados capitais o favorito é a gula. Escolheu o jornalismo pela pouca quantidade de números.

Deixe uma resposta